Marrocos
Cidades Imperiais

Marrocos: cidades imperiais

[Publicado em 18/10/2017]

Muitos já ouviram falar das “Cidades Imperiais do Marrocos” – Rabat, Fez, Meknes e Marrakech. De fato, são assim designadas por terem servido como capitais de poderosas dinastias e  preservam, ainda hoje, uma rica história e atrativos muito particulares.  

Mas, antes de falarmos de cada uma destas cidades, comecemos por Casablanca que se apresenta como uma fusão entre a modernidade e patrimônios islâmicos. O seu mais significativo atrativo é a Mesquita Hassan II, com uma belíssima decoração em mármore, mosaicos e muitas fontes que expressam a importância da água para uma nação que se organizou no deserto há centenas de anos.  

A partir de Casablanca muitos roteiros são organizados para conhecer as diferentes regiões do Marrocos, incluindo as já mencionadas Cidades Imperiais.

Fez

Cercada pelas belas montanhas do Atlas, é a mais antiga capital imperial. Declarada Patrimônio da Humanidade pela Unesco por ser a mais bem preservada cidade histórica do mundo árabe-islâmico, basta percorrer suas labirínticas e estreitas ruas para se dar conta de que o tempo foi ali encapsulado.

A Medina de Fez é a maior do Marrocos e dizem que ali estão os melhores vendedores do mundo. Se puder, aproveite para comprar os produtos em couro, reconhecido como o melhor do mundo e pode-se, inclusive, acompanhar o processo de produção.

Fez é ainda o mais importante produtor de prata e cobre do Marrocos. O comércio desses produtos na Praça Seffarine é imperdível, mas não se esqueça de barganhar!

Rabat

A atual capital do país é, também, local de residência do Rei Mohammed VI. Com avenidas largas, palmeiras, fontes e um sistema de transporte moderno, a cidade abriga o Mausoléu de Mohammed V, responsável pela independência do Marrocos do domínio francês (em 1956). O sarcófago onde repousa o rei foi esculpido em uma peça única de mármore e colocado sob um domo ricamente entalhado que reflete toda a grandeza desse antigo soberano.

Meknes

É mais tranquila que as demais antigas capitais, com exceção da Praça el-Hedime, onde hipnotizadores de cobras tentam convencer os visitantes a deixarem que estes mascotes se enrosquem em seus corpos para fotografias e alguns trocados.

Aproveite para visitar Volubilis, distante 70 km. e onde se encontram ruínas de uma cidade fundada em 3 a.C.e que prosperou com o comércio de olivas. Nas suntuosas vilas construídas por ricos comerciantes, pode-se admirar os impressionantes mosaicos praticamente intactos que ostentavam todo o luxo da época.  

Marrakech

Cidade obrigatória em qualquer roteiro de viagem que se faça ao Marrocos. A começar pela Mesquita Koutobia, com capacidade para acomodar 25 mil pessoas e cujo minarete é a mais alta construção da cidade (70 m) e expressa uma das mais belas obra arquitetônica islâmica. Ao lado da Mesquita está a Praça Jemae el-Fna, um formigueiro agitado por barracas de comidas, músico e muitas pessoas indo e vindo… é de deixar qualquer um aturdido!

Na medina da cidade, reserve um pouco mais de tempo para os temperos e olivas, com tantas variedades que você não terá tempo suficiente para experimentar cada um deles. Para se ter uma ideia, o cuscuz marroquino é preparado com mais de 35 diferentes tipos de condimentos – muitos deles totalmente desconhecidos para os nossos paladares!

Outra sugestões imperdível é visitar o Jardim Majorelle, mais conhecido como Jardim Yves Saint Laurent, que comprou a propriedade do pintor Jacques Majorelle e dedicou um cuidado especial aos jardins, reunindo ali as mais exóticas espécies botânicas.

E este é apenas o começo do que esse destino exótico e rico em história e cultura tem a oferecer!

Post anterior
Líbano, um país que você precisa conhecer
Próximo post
Melbourne

Nenhum Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Back
SHARE

Marrocos: cidades imperiais