Tanzanita
o tesouro azul da Tanzânia

Tanzanita: o tesouro azul da Tanzânia

[Publicado em 24/04/2020]

País situado na costa leste do continente africano, famoso pelas atrações naturais, como o Monte Kilimanjaro – o mais alto da África – e os parques e reservas onde ocorrem os safáris fotográficos, a Tanzânia também é reconhecida no mundo das joias como a terra da tanzanita, gema preciosa que chega a ser mais rara que o diamante por ser encontrada em um único lugar: aos pés do Kilimanjaro, na região de Arusha em Mererani, em uma área que não ultrapassa 10 km².

Tanzânia

A descoberta da tanzanita é uma história relativamente recente. Aconteceu nos anos 60 do século passado quando um garimpeiro encontrou uma pedra de cor azul arroxeada. Por ser diferente de tudo o que conhecia, ele mostrou a pedra a um geólogo de Nairóbi, John Saul, que identificou suas peculiaridades e enviou algumas amostras para seu pai, Hyman Saul, então vice-presidente da Saks 5th Avenue, em Nova York, para uma avaliação mais apurada.

Saul apresentou os primeiros cortes da gema, cientificamente nomeada de zoisita, à Tiffany´s, que rapidamente passou a comercializá-la com um nome “mais palatável” para as vendas: tanzanita, em referência ao local onde fora encontrada. Com isso, brincos, braceletes, pingentes e anéis passaram a ser adornados com a pedra e a exercerem um fascínio pouco igualável, tal a beleza dos tons que combinam um azul intenso com um toque de violeta – tonalidade que não se encontra em nenhuma outra gema.

Tanzânia

Por causa de sua raridade, a tarefa de extrair as pedras torna-se a cada dia mais complexa. Os mineiros agora cavam em locais mais profundos e, embora não seja possível estabelecer o quanto ainda resta de reserva, sabe-se que os volumes diminuíram consideravelmente nos últimos anos. Especialistas estimam que não haverá mais tanzanita daqui a menos de 20 anos.

É comum considerar mais valiosas as tanzanitas mais escuras. No entanto, outros fatores também determinam o seu valor, como o tamanho, muito embora as menores com 2 ou 3 quilates também sejam tão raras quanto as maiores, pois as suas dimensões exigem técnicas mais delicadas de escurecimento.

Mais um detalhe a ser observado, característico de poucas gemas, é a propriedade tricolor (violeta, azul, marrom), ou seja, podem ter colorações diferentes, dependendo do ângulo em que são posicionadas. Contudo, uma vez cortadas e aquecidas – o aquecimento moderado é uma etapa importante de embelezamento que não afeta a estrutura interna da pedra –, assumem um tom azulado de extrema beleza muito apreciado na elaboração de joias.  

Tanzânia

Outra preocupação para quem adquire a pedra ou a joia adornada com ela é a legitimidade. A regra de ouro é só comprar de um estabelecimento respeitável, de confiança, com certificados de autenticidade. Se possível, durante uma viagem à Tanzânia, antes ou depois de um safári fotográfico, para ter uma lembrança valiosa e inesquecível da aventura e do país.

Post anterior
5 grandes bibliotecas e seus incríveis acervos digitais
Próximo post
Good Living: bem-estar com a Belmond

2 Comentários

  1. Avatar
    Ivone Beltran
    28 de abril de 2020 de 10:10 — Responder

    A Natureza é espetacular.!
    Viver é poder desbravâ-la..

    • Queensberry Viagens
      Queensberry Viagens
      29 de abril de 2020 de 07:11 — Responder

      Olá Ivone
      Agradecemos sua mensagem e sua visita em nosso site!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Back
SHARE

Tanzanita: o tesouro azul da Tanzânia