Etiópia
Uma viagem de grandes descobertas

Etiópia: Uma viagem de grandes descobertas

Etiópia

[Publicado em 11/06/2020]

À beira de um grande lago onde hipopótamos se banham a mais de 1.800 metros de altitude, murais da iconografia religiosa do século 16 pintados em cores vibrantes resplandecem em templos circulares (sim, circulares!), cobertos por telhados de colmo, uma fibra natural. A algumas centenas de quilômetros dali, 11 igrejas consideradas Patrimônio Histórico pela Unesco, inteiramente esculpidas na rocha por volta do ano 1.100 d.C., ganham vida com o movimento de fiéis, cânticos e sacerdotes paramentados. Mais ao sul, bem no centro do país, uma montanha de 3.000 metros de altura é a guardiã da capital que tem vida noturna agitada, inúmeras belezas naturais e um museu que abriga os exemplares mais antigos de hominídeos, com idades entre 3 e 4 milhões de anos.

Mas que lugar é esse de lagos e montanhas, tradições seculares, imensa riqueza arqueológica? É a surpreendente e belíssima Etiópia, que ressurge após anos de fome, guerra civil e extrema pobreza.

Etiópia
Cataratas do Nilo Azul, conhecido como Tis Abay que significa “grande fumaça”

Situada no nordeste do continente africano, numa região conhecida como Chifre da África, a Etiópia é o único país da região que jamais foi colonizado. À custa de muita resistência contra as várias tentativas de conquista – de árabes a portugueses e italianos, que permaneceram no território de 1936 a 1941, passando por vizinhos da fronteira –, o país manteve uma cultura própria com a convivência de diversas etnias e línguas. Segundo a tradição, a monarquia etíope foi fundada no ano 1.000 a.C. por Menelik I, filho do Rei Salomão e da Rainha de Sabá.


ADIS ABEBA

Uma de suas principais atrações é o Museu Nacional de Arqueologia. Lá estão expostos os ossos de Lucy, esqueleto de um ancestral humano com 3,4 milhões de anos, e artefatos de diferentes períodos. São peças que testemunham a pré-história da região e da própria humanidade, já que foi onde surgiram nossos primeiros antepassados.

Etiópia
Acima, o Museu Nacional de Arqueologia em Adis Abeba (à esq.), os ossos do esqueleto Lucy (à dir.) e o centro da cidade

Ao norte, o Monte Entoto se impõe à capital com seus 3.000 mil metros de altitude e temperaturas amenas. Em 1881, após a descoberta de vestígios de uma antiga cidade imperial do século 16, o local foi escolhido pelo Imperador Menelik II para o estabelecimento de seu acampamento permanente, uma vez que o fato foi interpretado como sinal divino e auspicioso. No entanto, foi rapidamente abandonado por causa do frio e da dificuldade de acesso.

Em 1889, a Imperatriz Tatyu fez de Adis Abeba a sede do Império, mas duas estruturas importantes permanecem no antigo complexo do Monte Entoto: as igrejas do Arcanjo Raguel e de Mariam (Santa Maria), onde Menelik foi coroado em 1889. No pequeno museu do complexo há peças de vestuário, armas da época, utensílios domésticos e da corte.

Etiópia
Acima, a Igreja de Mariam (Santa Maria) e abaixo, a Igreja do Arcanjo Raguel, ambas localizadas no Monte Entoto

BAHIR DAR, GONDAR E LALIBELA

Ao norte e nordeste da capital, está o principal circuito histórico do país, formado pelas regiões das cidades de Lalibela, Gondar e Bahir Dar. Esta última, com avenidas largas e árvores alinhadas, fica às margens do lago Tana. Situado a 1.800 metros de altitude, é o maior do país, com cerca de 3.500 quilômetros quadrados. Suas ilhas são habitadas há milênios e é nele que nasce o Nilo Azul, um dos dois braços que formam o grande Nilo. A cerca de 30 quilômetros da cidade, estão suas espetaculares cataratas.

Próximo a Bahir Dar, na península Zeghie, encontramos tesouros inimagináveis: magníficos murais coloridos do século 14 cobrem as paredes dos templos ortodoxos de Beta Mariam e Ura Kidane Mehret. Essas igrejas são redondas e seus telhados, de uma fibra natural, o colmo. Em volta, uma pequena floresta densa, com muitos pássaros, protege o local.

Etiópia
Templo ortodoxo Ura Kidane Mehret
Etiópia
Murais coloridos do século 14, localizados no interior da igreja
Etiópia
Detalhe da construção: arredondada e com telhados de colmo (fibra natural)

Do outro lado do Tana, a 160 quilômetros de Bahir Dar, está Gondar, cidade que foi a capital do Império entre o século 17 e meados do 19. Uma estrada asfaltada contorna o lago passando por pitorescas aldeias rurais. Lá, o amplo complexo real, ou Fasil Gibbi, dá aos visitantes uma ideia do que foi seu apogeu. Dentro dele estão suntuosos castelos que pertenceram a vários imperadores, bem como um salão de banquete, estábulos e igrejas.

Etiópia
Complexo real, ou Fasil Gibbi, localizado em Gondar

A cerca de 2 quilômetros do centro da cidade encontramos os fascinantes Banhos do Rei Fasilides. Para lá foi desviado o curso de um rio a fim de encher uma pequena piscina onde fiéis simulam o batismo de Cristo no rio Jordão. Outro cenário surpreendente são as ruínas do palácio da Rainha Mentowab. O complexo engloba ainda a igreja Mariam Qusquam, onde estão os restos da Imperatriz.

A mais importante atração turística da Etiópia, no entanto, é Lalibela. As fantásticas construções entalhadas nas rochas fazem o povoado ser conhecido como a Petra da África. Essa joia arquitetônica foi construída no século 12 pelo imperador que deu nome ao lugar. Ele decidiu fazer uma réplica de Jerusalém em seu reino, num período em que os árabes dominavam a cidade sagrada.

Etiópia
Etíopes ortodoxos em Lalibela
Etiópia
Igreja de São Jorge: a principal igreja escavada na rocha, em Lalibela

Foram erguidas 11 igrejas monolíticas, totalmente esculpidas na rocha, consideradas hoje Patrimônio Mundial pela Unesco. O rio Jordão divide os templos em dois grupos. A Etiópia tem uma das mais antigas tradições cristãs e, para seus fiéis, a peregrinação a Lalibela tem o caráter de uma viagem a Jerusalém.

Experiências na Etiópia, Quênia e Tanzânia

Publicado por Queensberry Viagens em Quinta-feira, 11 de junho de 2020
Post anterior
Medidas de segurança: Para viajar tranquilo de avião
Próximo post
Tours virtuais: Os belos castelos europeus

2 Comentários

  1. Avatar
    Neusa Helena Menezes
    17 de junho de 2020 de 12:19 — Responder

    Que lugares lindos, exóticos e históricos!!! Adoraria conhecer!!! Vamos ver se o coronavirus vai deixar!!!

    • Queensberry Viagens
      Queensberry Viagens
      18 de junho de 2020 de 15:48 — Responder

      Olá Neusa,
      Agradecemos sua mensagem!
      Esperamos que em breve possamos realizar viagens para esse destino tão especial!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

Back
SHARE

Etiópia: Uma viagem de grandes descobertas